#552

29 de maio de 2018

Quando Rodrigo Díaz, conhecido como El Cid, morreu em 1099, toda a cristandade de acordo com um cronista francês, lamentou o ocorrido e os “paynims” (termo arcaico relativo a “paganismo”) da Espanha islâmica rejubilaram-se. Rodrigo parecia, a todos os seus contemporâneos e até mesmo a seus inimigos mais ferrenhos, ter sido um homem destinado à grandeza. Seus fabulosos sucessos, a ascendência que tinha sobre seus pares, e até mesmo sobre os reis aos quais servia eventualmente, estonteavam a todos os que o cercavam.

Ele foi um guerreiro invicto que ascendeu por seus próprios méritos do status de simples cavaleiro para o de governante fabulosamente rico de uma grande cidade, o herói ainda em vida louvado em canções e histórias fantásticas. O que Homero teria atribuído a uma ancestralidade divina, o que Platão expressou com sua metáfora sobre uma mistura de ouro e barro da qual os grandes homens são feitos, os contemporâneos de El Cid explicaram de várias maneiras como uma sorte prodigiosa ou desígnio de Deus.

Para os cristãos ele era o favorito da fortuna, beneficiário de um feliz acidente astrológico: o autor de Poema de mio Cid, o épico em sua homenagem escrito pela primeira vez um século depois de sua morte, refere-se a ele todo o tempo como “aquele que nasceu numa boa hora”. Os muçulmanos, que na Espanha do século XI eram mais devotos e mais sofisticados intelectualmente que os cristãos com os quais dividiam a península a contragosto, interpretavam sua genialidade como um dom divino.

Ibn Bassam, um historiador e biógrafo árabe seu contemporâneo, porta-voz de seus inimigos e que costumava referir-se a ele como “aquele tirano, El Campeador — que Deus o faça em pedaços”, prestou tributo, ainda que relutante, às qualidades que faziam dele um homem acima dos meros mortais. “Esse homem foi o flagelo de sua época, contudo deve também ser considerado, graças a seu apetite pela glória, pela prudente obstinação de seu caráter e por sua heróica coragem, um dos maiores milagres de Deus”.

Heróis, de Lucy Hughes-Hallett