#843

12 de julho de 2019

“A influência soviética na Manchúria crescerá em termos consideráveis”, ponderou Harriman, “caso os russos venham a controlar as ferrovias e protegê-las com suas tropas.” Exatamente o mesmo que os japoneses haviam feito antes de incorporar a região: permissão de uso, policiamento dos trechos e ocupação armada.

Em Moscou, ao discutir os pormenores com o general Deane, Stalin sugeriu o emprego de 60 divisões no assalto inicial. Trinta, de segunda classe, já estavam prontas, e as de primeira classe seriam mobilizadas dentro de três meses, após a capitulação da Alemanha. “Considerando que a Transiberiana”, respondeu-lhe Deane, “a despeito da sua capacidade diária de 36 composições, não tem condições de escoar a tonelagem de suprimentos correspondente a 60 divisões, será necessário estocar, na Sibéria, antes do início das operações, uma reserva de gêneros alimentícios para dois a três meses.” Além disso, seria ainda preciso “esclarecer as condições políticas de uma participação da Rússia”.

As condições econômicas foram imediatamente esclarecidas. O trem predador destinado ao nordeste da China teria de ser em parte financiado pelos Estados Unidos. A lista de pedidos apresentada em 17 de outubro de 1944 relacionava 120 mil toneladas de combustível de alta octanagem, 70 mil toneladas de gasolina comum, 500 veículos comuns, 30 mil caminhões, 400 aeronaves de transporte C-47, 100 aeronaves C-54, limpadores de neve, buldôzeres, duas embarcações lança-minas, 30 caça-minas, 30 fragatas, corvetas e navios de escolta, 500 locomotivas, 800 km de via férreas, 14,5 mil toneladas de uniformes e componentes hospitalares, 180 mil toneladas de alimentos etc.

“Stalin enfatizou a Marshall”, informou Deane aos Joint Chiefs, “que este equipamento terá de chegar pela rota do Pacífico, pois as capacidades da ferrovia transiberiana estão desde já totalmente comprometidas com o transporte de munição e bombas.” Seria, ao todo, algo superior a um milhão de toneladas. “850 mil toneladas são de carga seca e 206 mil toneladas são de carga liquida”. O transporte marítimo e o desembarque da carga na Sibéria teriam de estar concluídos até 30 de junho de 1945, a fim de permitir o deslocamento de uma força militar composta de 1,5 milhão de homens, 3 mil carros de combate, 75 mil veículos motorizados e 5 mil aviões. “Era uma porçãozinha apreciável”, escreveu Deane, “o que a URSS estava exigindo dos EUA.”

Logo em seguida, cinquenta oficiais de elite americanos participaram dos exercícios soviéticos de Estado-maior, a fim de aprender como os comunistas iriam conquistar a China. Os americanos desempenharam o papel do Estado-maior japonês, e o coronel Moses W. Pettigrew passou a ser chamado de “Tojo”, nome do comandante supremo das forças armadas japonesas. Era o perdedor. Atrás do arrogante bom humor, se escondiam sérias preocupações. Os americanos queriam saber como os russos empregariam suas forças na China. As operações pareciam ter algo de errado, o que para eles significava maus presságios.

Yalu, de Jörg Friedrich