#853

23 de julho de 2019

O país que mais ganhou com a Segunda Guerra do Ópio não foi a França ou a Grã-Bretanhas, mas um terceiro, a Rússia, vizinho da China ao norte. Em 14 de novembro, o príncipe Gong assinou um tratado com o enviado russo, Nicholas Ignatieff, pelo qual a China cedeu à Rússia centenas de milhares de quilômetros quadrados de território ao norte do rio Amur e a leste do rio Ussuri, definindo a fronteira até o presente. Essa área, normalmente considerada “um grande deserto”, já tinha sido entregue à Rússia, em 1858, pelo chefe da guarnição manchu do território, o general Yishan, aparentemente num momento de pânico, quando os russos fizeram ruídos beligerantes. Na verdade, o general mostrara ser um covarde mentiroso e irrecuperável durante a Guerra do Ópio. Com apenas três parágrafos e menos de uma página, o documento nunca foi endossado pelo imperador Xianfeng.

Agora, porém, esse pedaço de papel, totalmente irregular, foi creditado pelo príncipe Gong, que fez com que seu conteúdo fosse incorporado ao Tratado de Pequim com a Rússia. Nicholas Ignatieff alegou ao príncipe que fora ele quem convencera os britânicos e franceses a aceitarem um acordo pacífico e que por isso merecia ser recompensado. O príncipe Gong disse ao imperador que Ignatieff não fizera nada disso. Na verdade, ele havia “cutucado os britânicos e franceses para que invadissem” a China. Agora estava apenas “se aproveitando da presença deles em Pequim para obter o que deseja”. Contudo, por considerar Ignatieff “uma pessoa muitíssimo astuta e irredutível”, o príncipe temia que ele “criasse problemas” e “incitasse aborrecimentos imprevisíveis” com os aliados, de modo que aconselhava a aceitação de suas exigências.

O imperador Xianfeng imprecou contra Ignatieff, chamando-o de “pessoa abominável”, mas deu seu consentimento — embora seja difícil imaginar que aborrecimentos ele poderia provocar, já que os aliados estavam impacientes para voltar para casa. E com isso a dinastia Qing sofreu a maior perda de território em sua história. “Com esse tratado no bolso” escreve o bisneto de Nicholas, “Ignatieff e seus cossacos selaram seus cavalos e partiram para São Petersburgo”, e “tendo atravessado toda a Ásia a cavalo em seis semanas […], ele foi recebido pelo czar, condecorado com a Ordem de São Vladimir, promovido a general e, pouco tempo depois, nomeado chefe do departamento asiático do Serviço Exterior. Sem disparar um tiro, havia obtido para a Rússia um território ermo do tamanho da França e da Alemanha juntos, bem como a hinterlândia de Vladivostok, o porto do novo império à beira do Pacífico.”

A Imperatriz de Ferro, de Jung Chang