#863

4 de agosto de 2019

O líder russo sabia que seu colega chinês não estava em condição de reclamar a Mongólia Exterior, pois Pequim a reconhecera diplomaticamente em outubro de 1949. O comportamento insubordinado de Mao era antes uma expessão de ressentimetno do que uma declaração política (embora Stálin tenha exisido ainda uma troca oficial de notas quanto à situação da Mongólia). A caminho do jantar, Stálin e Shi Zhe, o intérprete de Mao, sentaram-se nos bancos dobráveis do carro, deixando o assento principal para Mao e Zhou. Shi Zhe relembrou que ficaram todos em silêncio e que o ar estava pesado como chumbo. “Para aliviar a tensão, conversei um pouco com Stálin e depois lhe perguntei: ‘você não prometeu visitar nossa delegação?’”.“Prometi, e não abandonei a ideia” — Respondeu Stalin de imediato. “Antes que ele terminasse de falar, o presidente Mao me perguntou: ‘O que você está conversando com ele? Não o convide para nos visitar’”.

“Adimiti logo que estava justamente falando disso com ele. O presidente Mao disse: ‘Recue. Nada de convites’”. “[…] Silêncio de novo. O ar estava pesado, como se tivessem posto mais chumbo nele. Ficamos assim por 30 minutos”. “A atmosfera no jantar também foi fria e tediosa […] O presidente ficou em silêncio, sem dizer uma palavra”. “Para quebrar o gelo, Stálin levantou-se para ligar o gramofone […] Embora três ou quatro homens tenham se revezado para tentar fazer o presidente Mao dançar, eles não conseguiram […] A coisa toda acabou com mau cheiro […]”.

Os dois lados assinaram finalmente um novo tratado em 14 de fevereiro de 1950. O texto publicado era uma formalidade. A essência do tratato estava em anexos secretos. O emprestímo de 300 milhões de dólares que a China pedira foi confirmado, embora fosse distribuído ao longo de cinco anos, e, da parcela do primeiro ano, a China recebeu de fato apenas um terço (20 milhões), sob a alegação de que o resto era devido por “compras” passadas. O empréstimo inteiro foi alocado para compras militares da Rússia (no círculo íntimo de Mao era chamado de “empréstimo militar”). Metade do total emprestado estava reservada para a Marinha. Stálin deu sinal verde para 50 projetos industrias de larga escala, muito menos do que Mao queria.

Em troca, Mao concordou que a Manchúria e Xinjiang fossem designadas como esferas de influência soviética e a Rússia tivesse acesso exclusivo a suas “atividades industriais, financeiras e comerciais”. Como essas duas regiões imensas eram as principais áreas com conhecidos recursos minerais ricos e exploráveis, Mao estava efetivamente entregando a maior parte dos recursos comerciáveis do país. Para seu círculo íntimo, ele mesmo chamava as duas províncias de “colônias”. Para os americanos, décadas depois, disse que os russos “se apoderaram de metade de Xinjiang. Chamava-se esfera de influência. E Manchukuo também foi chamado de esfera de influência deles”. Mao deu à Rússia o monopólio de todo o “excedente” de tungstênio, estanho e antimônio por 14 anos, privando assim seu país da chance de vender cerca de 90% de suas matérias-primas comercializáveis no mercado mundial, até meados da década de 1960.

Mao, de Jung Chang