#891

16 de janeiro de 2020

O controle foi um motivo fundamental para Mao decidir evitar o reconhecimento do Ocidente. Mas seu objetivo primordial era mostrar a Stálin que a nova China estava totalmente comprometida com o bloco comunista. Essa foi a principal razão de Pequim não estabelecer relações diplomáticas com os Estados Unidos e a maioria dos países ocidentais quando o regime foi fundado. Costuma-se pensar que foram os Estados Unidos que se recusaram a reconhecer a China de Mao. Na verdade, Mao se esforçou muito para tornar o reconhecimento impossível, cometendo atos de hostilidade aberta. Em novembro de 1948, quando os comunistas capturaram Shenyang, havia três consulados ocidentais na cidade (americano, britânico e francês) e, de início, o PCC local foi amistoso com eles. Mas logo chegaram ordens de Mao para “forçá-los a sair”. Chou foi explícito com Mikoian: “Criamos condições intoleráveis para eles a fim de fazê-los partir”.a Em 18 de novembro, o cônsulgeral americano Ward e seus funcionários foram postos em prisão domiciliar. Ward foi depois acusado de espionagem e expulso. No mesmo espírito agressivo, tropas comunistas invadiram a residência do embaixador americano J. Leighton Stuart em Nanquim, em abril de 1949, quando tomaram a capital nacionalista.

O controle foi um motivo fundamental para Mao decidir evitar o reconhecimento do Ocidente. Mas seu objetivo primordial era mostrar a Stálin que a nova China estava totalmente comprometida com o bloco comunista. Essa foi a principal razão de Pequim não estabelecer relações diplomáticas com os Estados Unidos e a maioria dos países ocidentais quando o regime foi fundado. Costuma-se pensar que foram os Estados Unidos que se recusaram a reconhecer a China de Mao. Na verdade, Mao se esforçou muito para tornar o reconhecimento impossível, cometendo atos de hostilidade aberta. Em novembro de 1948, quando os comunistas capturaram Shenyang, havia três consulados ocidentais na cidade (americano, britânico e francês) e, de início, o PCC local foi amistoso com eles. Mas logo chegaram ordens de Mao para “forçá-los a sair”. Chou foi explícito com Mikoian: “Criamos condições intoleráveis para eles a fim de fazê-los partir”.a Em 18 de novembro, o cônsulgeral americano Ward e seus funcionários foram postos em prisão domiciliar. Ward foi depois acusado de espionagem e expulso. No mesmo espírito agressivo, tropas comunistas invadiram a residência do embaixador americano J. Leighton Stuart em Nanquim, em abril de 1949, quando tomaram a capital nacionalista.

Mao era igualmente hostil aos britânicos. No final de abril, quando os comunistas estavam cruzando o Yangtze para o sul, havia dois barcos da Marinha inglesa naquele trecho do rio, o Amethyst e o Consort. Mao ordenou que “todos os navios de guerra que estão no caminho de nossa travessia podem ser bombardeados. Tratem-nos como barcos nacionalistas”. Foram mortos 42 marinheiros britânicos, mais do que todas as outras mortes de militares ocidentais durante a guerra civil inteira. O Consort conseguiu escapar, mas o Amethyst ficou encalhado. De volta à Inglaterra, marujos encolerizados espancaram o líder do PC inglês Harry Pollitt, que acabou hospitalizado. Winston Churchill, então líder da oposição, perguntou no Parlamento por que a Grã-Bretanha não tinha “em águas chinesas um porta-aviões, se não dois, capazes de […] poder efetivo de retaliação”.

O incidente alarmou muito Stálin, que colocou as forças soviéticas de todo o Extremo Oriente em alerta total — a única vez que isso ocorreu durante a Guerra Civil Chinesa. O líder russo estava preocupado com a possibilidade de o Ocidente intervir militarmente e envolver a Rússia e telegrafou a Mao com urgência para não dar destaque à relação entre os dois: “Não achamos que seja o momento certo para divulgar a amizade entre a União Soviética e a China Democrática”. Mao teve de baixar o tom de sua agressividade e emitiu novas ordens para “evitar choques com navios estrangeiros. Não atirar [neles] sem ordem do centro. Extremamente, extremamente importante”. Ele instruiu seus comandantes para “proteger […] especialmente diplomatas dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha”, “ou pode acontecer um grande desastre”. Em 27 de abril, suspendeu o avanço sobre Xangai, mais importante centro econômico e financeiro do país, e foco dos interesses ocidentais — portanto, o lugar mais provável em que o Ocidente, que tinha consideráveis forças militares na cidade, poderia opor resistência.

Mao, de Jung Chang