A Ilha no Centro do Mundo

#699

27 de janeiro de 2019

Em Leiden, cientistas, filósofos e teólogos (os títulos eram um tanto ou quanto equivalentes) davam início a intenso questionamento sobre aspectos fundamentais de seus saberes. Qual seria a implicação de seguir Descartes e basear o raciocínio não mais na “autoridade” (em Aristóteles ou na Bíblia), mas na mente do pensador e, conforme dizia o filósofo […]

#698

26 de janeiro de 2019

Em Leiden, a tolerância fazia bem a própria universidade, o que lhe conferia vantagens em relação a outros centros de aprendizado na Europa, contribuindo para que, em poucas décadas, a instituição se consolidasse como importante centro internacional. Em qualquer período histórico, intelectuais e cientistas são atraídos pela liberdade como o fogo pelo oxigênio e, em […]

#685

11 de janeiro de 2019

Tolerância era mais do que uma atitude na República Holandesa. Após a sangrenta perseguição religiosa de milhares de indivíduos, levada a cabo no século anterior pelos espanhóis, as províncias holandesas haviam produzido legislação inovadora ao incluir na Constituição que havia sido promulgada em 1579 a garantia de que “toda pessoa há de permanecer livre, especialmente […]

#684

10 de janeiro de 2019

A universidade de Leiden também possuía ligações com os primórdios da resistência. A cidade sobrevivera a um violento ataque espanhol em 1574 e, como recompensa pela intrepidez dos defensores, Guilherme o Taciturno, escolhera a cidade como o local onde seria instalada uma grandiosa universidade que, na visão do monarca, era necessária às províncias holandesas em […]

#667

18 de dezembro de 2018

A Holanda do século XVII passava por intenso florescimento artístico e científico, além de um dos maiores crescimentos econômicos jamais registrados na história. As ruas eram seguras; as casas, confortáveis; e os negócios vicejavam. É certo que a culinária não era nenhuma maravilha, mas a cerveja era fresca e excelente; fumo para cachimbo era vendido […]

#666

17 de dezembro de 2018

Em setembro de 1638, um recém-chegado apareceu em Leiden, na província da Holanda. Ele viera de sua cidade natal, Breda, localizada a 64km ao sul, na remota Brabante, região predominantemente católica e que, embora integrasse a República Holandesa, ainda não tinha status de província. A exemplo de outros recém-chegados, o estranho haveria de se impressionar […]

#641

4 de novembro de 2018

Em sua arrasadora maioria, segundo Samuel Pepys, a corte inglesa “ansiava por uma guerra com a Holanda”. Todavia, o único indivíduo cuja vontade realmente pesava não estava convencido. O segundo Carlos Stuart a ocupar o trono inglês era um homem de interesses diversificados. Tinha obsessão por relógios, aprazia-se em redesenhar os jardins reais e passava […]

#637

28 de outubro de 2018

Posicionado nos escritórios diplomáticos, em Haia, Downing tinha perspectiva panorâmica da situação. Via o globo terrestre cruzado pelas rotas comerciais holandesas. Postos comerciais holandeses pontilhavam a costa da Índia e se espalhavam pelo arquipélago indonésio. A Holanda era a única nação na Terra com a qual as ilhas japonesas negociavam. Os holandeses controlavam o comércio […]

#635

25 de outubro de 2018

O homem que, mais do que qualquer outro indivíduo, maquinaria a tomada de Manhattan encontra-se entre primeiros jovens acadêmicos da Nova Inglaterra, em 1642. Chamava-se George Downing. Era um rapaz sisudo e atlético, com 19 anos de idade, cuja ambição era tamanha que chegava a ser agressiva, e era também sobrinho do governador Winthrop. A […]

#634

23 de outubro de 2018

Cromwell havia surpreendido os líderes holandeses. Enquanto ele construía uma nova geração de grandes navios de guerra, os Estados-gerais da Holanda, depois da ameaça de conflito com o príncipe de Orange, por causa da insistência do governo central na dispensa de soldados, haviam diminuído o seu poderio militar, desde a paz de Westfália em 1648. […]

#631

18 de outubro de 2018

Seu fervor era primordial. Cromwell, planejava exportar a revolução puritana inglesa e fazer cabeças de monarcas rolarem pelos gramados europeus. Isso não ocorreu, mas transportada para a Nova Inglaterra, a ideia puritana de missão, de eleição divina, semeou a noção norte-americana do “destino manifesto”: de um povo predeterminado, primeiro, a conquistar o continente e, em […]

#629

14 de outubro de 2018

Assim como fez com Stuyvesant (o último Diretor-geral da Nova Holanda), a história encobriu o rosto de Cromwell com uma máscara de papelão. É certo que ambos eram sombrios e obsessivos. Por outro lado, Cromwell não foi apenas o criador do império britânico: foi também responsável pela configuração da América do Norte em seus primórdios. […]

#628

13 de outubro de 2018

Carlos I Inglaterra, dedicava aos cavalos e aos holandeses sentimentos exatamente opostos. conforme demonstram o célebre retrato equestre de Carlos, pintado por Antony Van Dyck, e sua estátua equestre localizada na Trafalgar Square, na cidade de Londres, em sua sela o monarca sentia-se melhor do que nunca. Era tamanha a sua devoção às corridas, que […]

#615

20 de setembro de 2018

Um mês após a segunda audiência do embaixador holandês com o rei da Inglaterra, a resposta oficial de Carlos chegou a Haia. O rei declarava não ter qualquer intenção de suprimir os livros virulentos publicados na Inglaterra que abordassem o massacre de Amboina (eis a resposta do monarca à indignação holandesa: “nada, senão o bálsamo […]

#614

18 de setembro de 2018

Os ingleses tinham um motivo especial para, naquele momento, cobiçar as terras holandesas na América do Norte. O torvelinho de ações geopolíticas que envolvia as duas potências emergentes havia se cristalizado em um evento, um daqueles incidentes aparentemente menores, distantes, cujos ecos históricos alcançariam proporções incompatíveis com a dimensão do ocorrido. Em 1623, numa das […]

#604

1 de setembro de 2018

Três séculos antes, o canto da Holanda ao qual os viajantes agora se destinavam fora uma propriedade rural pertencente a Guilherme, conde da Holanda. Com o passar do tempo, a localidade passou a ser utilizada como um ponto onde os líderes militares medievais da região se encontravam para tirar as suas diferenças. A cerca viva […]

#591

9 de agosto de 2018

A figura de Adriaen Pauw destoava em Münster. O termo barroco tão adequado para caracterizar a época, aplicava-se igualmente à moda e à arte, os embaixadores se consideravam por assim dizer, pavões diplomáticos cujas vestimentas revelavam o esplendor da nação representada. Na qualidade de embaixador da anômala República Holandesa, Pauw era um dos poucos presentes […]

#589

5 de agosto de 2018

Talvez a diferença mais marcante entre Holanda e Inglaterra fosse o fato de que o novo governo formado pelas Sete Províncias Unidas durante a luta pela independência era algo absolutamente anômalo na Europa: em meio a uma grande era de monarquias, os holandeses entalharam uma república. Não era uma república no sentido pleno do Iluminismo […]

#588

4 de agosto de 2018

A geografia configura personalidade, e a personalidade da urbe. Uma diferença entre Inglaterra e a Holanda residia em um substantivo abstrato e, aos nossos ouvidos, um tanto contido: tolerância. A Inglaterra se encontrava na véspera de um século de guerras religiosas, em que cabeças reais rolariam e multidões de súditos fugiriam do país. Os holandeses […]

#581

22 de julho de 2018

Os diretores podiam se dar ao luxo de receber reclamações das colônias com equanimidade. Os tempos eram muito bons para a Companhia das Índias Ocidentais holandesa. O principal objetivo do empreendimento naqueles tempos era lucrar com o combate aos espanhóis e, em 1628, a companhia “descobriu a mina”. Durante quase um século, as riquezas que […]