Catarina, a Grande

Retrato de uma mulher

Robert K. Massie, Estados Unidos

#869

11 de agosto de 2019

O fato de a fronteira ocidental russa ter voltado ao Dnieper não significava a abertura da grande rota aquática para o mar Negro, porque os turcos ainda controlavam o estuário do rio. Catarina queria libertar essa foz. A guerra com a Turquia continuava. O ano de 1771 havia trazido um disabor nos campos de batalha. […]

#858

29 de julho de 2019

Em meados de julho, os 25 mil prussianos e 14 mil russos avançaram sobre Varsóvia, vindo de duas direções. No fim de julho, o próprio Frederico Guilherme chegou para comandar o cerco a Varsóvia. Os prussianos não fizeram grandes progressos. Em setembro, o rei declarou que precisava das tropas para enfrentar a ameaça da França, […]

#855

26 de julho de 2019

Em 9 de abril de 1792, a França deu uma ajuda involuntária a Catarina, declarando guerra à Áustria. Agora a imperatriz podia ter certeza de que a Áustria não iria honrar seu compromisso de apoiar a Constituição polonesa de 3 de maio. No final de abril, Catarina comunicou a Berlim e Viena sua intenção de […]

#854

25 de julho de 2019

As surpreendentes vitórias da Rússia em 1770 – o avanço do Exército no mar Negro e no Danúbio, a presença da esquadra no Mediterrâneo e a total destruição da frota turca em Cesme – encheram a Europa de um assombro carregado de medo. A rápida expansão do poderio russo afligiu tanto as nações amigas como […]

#851

21 de julho de 2019

Em 6 de agosto de 1769, Catarina viu a primeira esquadra russa zarpar de Kronstadt para a etapa inicial da longa viagem. Os navios foram reabastecidos em Hull e depois atracaram para o inverno na base britânica em Minorca, no Mediterrâneo ocidental. Uma segunda esquadra, comandada pelo almirante John Elphinston, zarpou em outubro, navegando através […]

#847

17 de julho de 2019

Na primavera de 1769, as tropas russas ocuparam e fortificaram Azov e Taganrog, que Pedro o Grande, havia conquistado e subsequentemente, em 1711, fora obrigado a devolver aos turcos. O controle desses portos e de suas fortalezas significava o comando da foz do Don, onde o rio chega ao mar de Azov. Depois os russos […]

#846

16 de julho de 2019

Os turcos, vizinhos da Polônia e da Rússia, estavam muito alarmados com o acelerado aumento do poder militar russo na Polônia, que a Turquia julgava ser um Estado-tampão permanentemente fraco. As tropas russas agora estavam em posição de avançar descendo o Dnieper, o Bug, o Dnierster e ameaçar as províncias balcânicas turcas da Valáquia e […]

#837

6 de julho de 2019

Catarina a Grande tinha 48 anos quando, em 1777, sua nora, Maria, deu à luz o primeiro neto da imperatriz. Catarina, e não os pais do menino, escolheu seu nome, Alexandre — um nome escolhido tão pretensiosamente quanto aquele conquistaram o mundo antigo. A maternidade trouxera poucas alegrias e Catarina; agora, sendo avó, podia aproveitar. […]

#447

27 de setembro de 2017

Voltaire tinha 61 anos quando, em 1755, resolveu sossegar. Prisão na Bastilha por duas vezes; exílio voluntário na Inglaterra; uma temporada inicialmente eufórica na corte de Frederico da Prússia seguida de equívocos, desavenças e finalmente uma dolorosa ruptura; uma relação complicada, calorosa e fria com Luís XV e madame Pompadour, tudo isso ficou para trás. […]

#444

20 de setembro de 2017

Catarina, a Grande, acreditava numa autocracia iluminista. Ao colocar em prática essa crença, ela sempre levou em consideração a opinião pública. Tinha isso em mente quando escreveu a Diderot: “O que desisto de derrubar, vou minando”. Seu manejo do poder absoluto repousa na sensibilidade às nuanças do possível. Anos mais tarde, o assessor de Potemkin, […]

#431

20 de agosto de 2017

Mesmo antes da primeira carta de Voltaire, em 1763, Catarina tinha feito contato com outro expoente o Iluminismo, Denis Diderot. Nascido numa cidadezinha perto de Dijon, em 1713, Diderot era tão afetuoso quanto Voltaire era cínico, tão tosco quanto Voltaire era sofisticado e polido, e manteve durante toda a vida a inocência de uma criança […]

#430

19 de agosto de 2017

Em meados do século XVIII, a maioria dos europeus ainda via a Rússia como um país semi-asiático, culturalmente atrasado. Catarina estava decidida a mudar isso. A vida artística e intelectual do século era dominada pela França, e a governanta de Catarina em Stettin fizera do francês sua segunda língua. Durante os 16 anos sofridos e […]

#345

1 de fevereiro de 2017

Havia, porém, um procedimento político que poderia neutralizar a interrupção de reformas através do “liberum veto”. Era estabelecer uma “confederação” temporária, a reunião de um grupo de nobres para atingir um objetivo específico. Uma vez convocada, a Dieta confederada podia tomar decisões por votos da maioria (e não por unanimidade) e, tendo chegado à solução […]

#339

18 de janeiro de 2017

A Comunidade Polaco-Lituana, construída pela fusão do reino da Polônia com o grão-ducado da Lituânia, era tão grande quanto a França. Estendia-se leste a oeste entre os rios Dnieper e Oder, e de norte a sul, do Báltico aos Cárpatos e às províncias turcas balcânicas do rio Danúbio. A fronteira da Polônia com a Rússia […]

#295

8 de outubro de 2016

Devido a compromissos impostos pelas exigências de sua função de imperatriz, Catarina precisava conciliar a servidão russa com o conceito iluminista de Direitos do Homem. Ela não tinha um exemplo europeu contemporâneo a seguir. Os enciclopedistas condenavam a servidão por princípio, sem jamais terem precisado enfrentá-la. Remanescente do feudalismo, a servidão continuava a existir apenas […]

#186

24 de janeiro de 2016

Em 1765, a arquiteto Michel Vallin de la Mothe projetou um recinto privado, uma galeria para expor os novos quadros. Ela chamou esse espaço de Heritage, que mais tarde ficou conhecido como Pequeno Hermitage. Mothe construiu um prédio de 3 andares anexo ao enorme Palácio de Inverno de Rastrelli e, talvez por ser em tamanho […]

#185

23 de janeiro de 2016

O imenso Palácio de Inverno, em estilo barroco, obra-prima assinada por Bartolomeo Rastrelli, levou 8 anos para ser construído e só ficou pronto em 1761, ano da morte de Elizabeth. Pintado de verde-claro e branco, com fachada de 135 metros de altura, tem uma estrutura pesada, 1050 cômodos e 117 escadarias. Seis meses depois, quando […]

#173

26 de dezembro de 2015

A Imperatriz Elizabeth da Rússia estava decida a derrotar a Prússia de Frederico o Grande. Havia entrado na guerra para honrar o tratado com a Áustria e queria vencer. O fim da guerra se aproximava, Frederico já não liderava o mais competente exército da Europa, e tanto os austríacos como os russos agora eram veteranos. […]

#166

9 de dezembro de 2015

Catarina a Grande foi mais que colecionadora; foi também construtora. Além da coleção de quadros, estava determinada a deixar, através da arquitetura, uma marca cultural em São Petersburgo que o tempo não iria desfazer. Em seu reinado, arquitetos geniais foram contratados para criar elegantes edifícios públicos, palácios, mansões e outras estruturas, todos exemplos e lembranças […]

#95

28 de junho de 2015

Bestuzhev era gourmet, alquimista amador e hipocondríaco, era por natureza temperamental, reservado, irascível e implacável. Mestre da intriga, ao retornar à corte se manteve tão calado e eficiente no manejo do poder que era mais temido do que amado. Mas, embora impiedoso com os inimigos, era dedicado a sua terra e a Elizabeth. Antes de Sofia se […]

#94

27 de junho de 2015

Alexis Bestuzhev-Ryumin, então com quase 51 anos, era um dos mais privilegiados russos daqueles dias. Seus talentos diplomáticos eram de alta categoria: sua habilidade política para sobreviver em meio ao turbilhão de correntes políticas domésticas e intrigas na corte o elevaram mais alto ainda. Quando menino, demonstrara excelente habilidade em idiomas. Aos 15 anos, foi […]

#66

22 de abril de 2015

A figura mais marcante do reinado de Catarina, a Grande, além da própria imperatriz, foi Gregório Potemkin. Durante 17 anos, de 1774 a 1791, ele foi o homem mais poderoso da Rússia. Ninguém foi tão íntimo de Catarina em toda sua vida. Foi amante, conselheiro, comandante em chefe, governador, e vice-rei de metade do império, […]

#22

27 de janeiro de 2015

Em 1765, Catarina teve para Diderot um gesto grandioso, que se tornou o assunto das conversas na Europa. Diderot e sua esposa tiveram três filhos, e todos morreram. Então, aos 43 anos, madame Diderot teve uma filha, Marie Angélique. Diderot idolatrava essa menina, dava grande valor ao tempo que passava com ela, e sabia que […]

#07

8 de janeiro de 2015

A servidão apareceu na Rússia no fim do século XVI, a fim de manter trabalhadores no preparo e no cultivo da enorme extensão de terras aráveis. Após os 51 anos de reinando de Ivan o Terrível (1553-84), seguiu-se o período conhecido na história da Rússia como o Tempo de Dificuldades e o governo do tenente […]