“Paz em casa, paz no mundo.”
— Mustafa Kemal Atatürk

#311

13 de novembro de 2016

A vida na prisão despedaça a alma e a vontade de qualquer um que a experimente. “Destrói absolutamente o pensamento”, observou Antonio Gramsci, em seus cadernos de prisão. “Ela opera como um mestre artesão que recebe um belo tronco de oliveira madura par esculpir uma estátua de são Pedro; ele tira um pedaço aqui, outro […]

#310

12 de novembro de 2016

Apesar de tudo que passara nas exaustivas guerras pela Silésia e de seus desejos de resignação, mesmo em seus últimos anos, Frederico o Grande, conseguiu aumentar o território prussiano, primeiro administrando com malícia diplomática uma tripla divisão da Polônia entre Rússia, Áustria e Prússia e, posteriormente, com a guerra incruenta que evitou que a Áustria […]

#309

9 de novembro de 2016

A causa dos que se opunham à escravidão territorial foi confiada aos cinco senadores republicanos com assento no Comitê dos Treze. Diferente dos conciliadores [democratas] da época de prata, os republicanos, como regra, eram avessos à negociação: eles achavam que a escravidão deveria ser ilegal em todo o território do país. “Não haverá conciliação na […]

#308

6 de novembro de 2016

Se os dois quadros dividem espaço e tema, diferem nos objetivos, que mostrar. Leitora à janela não tem elementos em excesso, mas há mais objetos no quadro, que participam mais da função de criar atividade visual. Para equilibrar a movimentação desses objetos, Vermeer deixou a parede vazia. Vazia, mas longe de ser um vácuo; com […]

#307

5 de novembro de 2016

Vermeer pintou Leitora à janela mais ou menos na mesma época que pintou Oficial e a moça sorridente. Vemos a mesma sala no andar de cima, a mesma mesa, a mesma cadeira, a mesma mulher usando até o mesmo vestido, novamente a esposa Catharina Bolnes, ou assim creio. Embora a ação dos dois quadros seja […]

#306

2 de novembro de 2016

Os ensinamentos de Avicena sobre a alma e sobre psicologia em geral também entraram na tradição ocidental por intermédio de seus volumosos estudos de medicina e biologia. Miguel Escoto, que traduziu sua obra Sobre os animais, absorveu as concepções do filósofo no contexto de sua obra de médico. Ele adotou livremente as ideias de Avicena […]

#305

30 de outubro de 2016

Embora o milho fosse inicialmente encarado por eruditos europeus como uma curiosidade botânica, logo ficou claro que ele era apropriado para o clima mediterrâneo do sul e que era, na verdade, um produto agrícola extremamente valioso. Na década de 1520, ele já era cultivado em várias partes da Espanha e do norte de Portugal, e […]

#304

29 de outubro de 2016

A Troca Colombiana, como o historiador Alfred Crosby a denominou, foi assim chamada porque realmente começou com o próprio Cristóvão Colombo. Embora muitas outras pessoas tenham transportado plantas, animais, pessoas, doenças e ideias entre o Velho e o Novo Mundo nos anos seguintes, Colombo foi diretamente responsável por duas das primeiras e mais importantes trocas […]

#303

26 de outubro de 2016

No começo de 1921 ninguém poderia prever o domínio que Jinnah, o anglicizado advogado de Bombaim, exerceria sobre os muçulmanos da Índia — nem mesmo ele. Era Muhammad Ali Jauhar que na época os seduzia, e Jauhar ainda estava ligado ao Mahatma. A contenção verbal não fazia parte do estilo de Jauhar. “Depois do Profeta, […]

#302

23 de outubro de 2016

Os ensinamentos de Avicena tinham muito para recomendá-los aos pensadores cristãos. Diante da tarefa desalentadora de analisar a obra de Aristóteles sobre o tema, em particular a notoriamente opaca Metafísica, Avicena parecia oferecer uma maneira familiar de entrar em matéria tão complexa. O próprio Avicena mesmo diz que leu a Metafísica quarenta vezes — o […]

#301

22 de outubro de 2016

Entre as primeiras obras que sacudiram o autocontentamento da cristandade estavam os escritos do prolífico intelectual persa Avicena, que desfrutou enorme popularidade entre os filósofos e teólogos ocidentais durante o século XIII e depois. De particular interesse eram suas discussões sobre a metafísica e a noção da alma, extraída de seu abrangente Kitab al-Shifa, ou […]

#300

19 de outubro de 2016

Maomé ensinara que todos os homens eram iguais perante Deus — pois todos os homens, mesmo os mais elevados, eram Seus escravos. Assim, os seguidores do Profeta não se referiam a si mesmos como “sarracenos”, palavra que para eles não significava nada, mas como “muçulmanos”: “aqueles que se submetem”. Nos salões de oração de seus […]

#299

16 de outubro de 2016

Os acontecimentos de 1453 fizeram parte de um grande fluxo e refluxo na luta entre o islamismo e o cristianismo. Do século XI ao XV, a cristandade, no ímpeto das Cruzadas, tinha dominado o Mediterrâneo. Havia criado um mosaico de pequenos estados na costa da Grécia e nas ilhas do mar Egeu, que ligava o […]

#298

15 de outubro de 2016

Até 1530, a guerra entre o sultão e o imperador se estendia por toda a Europa e a cristandade se achava, em todos os lugares, com o pé atrás. A metáfora central do famoso hino protestante de Martinho Lutero, “uma fortaleza poderosa é nosso Deus”, não foi escolhida ao acaso: Solimão estava sitiando Viena na […]

#297

12 de outubro de 2016

Por volta do ano 610, durante o mês do Ramadã, um mercador árabe da cidade de Meca, no Hedjaz, teve uma experiência que, em última instância, transformaria a história do mundo. Todos os anos, Muhammad ibn Abdallah fazia um retiro espiritual com a mulher e a família numa caverna do monte Hira, no vale de […]

#296

9 de outubro de 2016

A mensagem nacionalista negra de orgulho racial, repúdio à integração e autossuficiência reacendeu fortes vínculos com a fé que movera seus pais. A condenação de todas as instituições brancas pela Nação do Islã (NOI), especialmente o cristianismo, também combinava com sua experiência. Mas o jovem e amargo descrente jamais demonstrara o mínimo interesse pela religião […]

#295

8 de outubro de 2016

Devido a compromissos impostos pelas exigências de sua função de imperatriz, Catarina precisava conciliar a servidão russa com o conceito iluminista de Direitos do Homem. Ela não tinha um exemplo europeu contemporâneo a seguir. Os enciclopedistas condenavam a servidão por princípio, sem jamais terem precisado enfrentá-la. Remanescente do feudalismo, a servidão continuava a existir apenas […]

#294

5 de outubro de 2016

Em 8 de março de 1946, um psiquiatra do estado de Massachusetts entrevistou o preso número 22843. “Foi chamado de tudo quando é nome sujo que me ocorreu”, lembrava-se Malcolm. Ele descreveu-se como “fisicamente miserável, e tão mal-humorado como uma cobra”. Mas o “Relatório Psicométrico”, escrito quase dois meses depois, o descreveu como atento e […]

#293

2 de outubro de 2016

Por mais poderosos que pudessem ser esses dois formidáveis inimigos, sarracenos e bizantinos pelo menos ofereciam a tranquilidade do conhecido. Muito mais preocupante para o papa era uma ameaça que parecia ter surgido do nada, quase da noite para o dia. Em 1050, depois de sua excursão ao norte, o inquieto Leão IX seguiu rumo […]

#292

1 de outubro de 2016

Por mais impressionante que as reformas e o súbito brilho do prestígio papal parecesse aos cristãos, ele ainda assim continuava a ser em grande medida algo feito de fumaça e reflexos: Acima de tudo, Leão IX carecia daquilo que em um mundo decaído mesmo o mais humilde castelão precisava ter: um punho de ferro. Isso […]

#291

28 de setembro de 2016

Muito antes dos quarteirões de escritórios em todo o Chifre de Ouro, antes mesmo das mesquitas, havia uma Igreja. O domo de Santa Sofia se destacou isolado contra o horizonte por mil anos. Quem subisse ao topo em algum momento da Idade Média teria uma vista panorâmica da “cidade coroada pela água”. Dali fica bastante […]

#290

25 de setembro de 2016

A conhecida afinidade do imperador com o mundo do islã embaraçava tanto a Igreja como seus súditos cristãos. Um escandalizado europeu escreveu: “Quando chegou a hora da oração do meio-dia e ouviu-se o chamado do muezim, todos os seus pajens e valetes se ergueram, bem como seu tutor, um siciliano com quem ele estava lendo […]

#289

24 de setembro de 2016

Frederico II, o sacro-imperador romano-germânico que governava seus tumultuados domínios a partir da Sicília e do sul da Itália foi excomungado duas vezes pelo papado por desobediência e era visto com desconfiança no Ocidente em virtude de seu amor pelo saber muçulmano, sua profunda ambivalência em relação à guerra santa cristã e sua erudição imoderada. […]

JK

#288

21 de setembro de 2016

O coronel Nélio Cerqueira Gonçalves, chefe do Gabinete Militar, um dos coronéis da PM requisitados por Juscelino, demorou a suavizar seu temperamento de milico com as nuances da política. Certo dia recebeu um telegrama do bispo de Uberaba, o autoritário dom Alexandre Gonçalves do Amaral, exigindo o imediato cancelamento da punição de um primeiro-tenente capelão, […]

#287

18 de setembro de 2016

“As-salaan alaikum”, proclamou Malcolm X, fazendo a tradicional saudação árabe. “Walaikum salaam”, responderam centenas de vozes. Mas antes que ele pudesse dizer qualquer outra coisa, houve uma confusão inesperada na sexta ou sétima fila de cadeiras. “Tire a mão do meu bolso!”, gritou um homem para alguém perto dele. Ambos se levantaram e começaram a […]

#286

17 de setembro de 2016

Muitos lugares na Arábia, tidos como sagrados, mantinham santuários, com seus próprios e antigos rituais dedicados a determinada divindade. O mais importante era a Caaba, situada junto à fonte sagrada de Zamzam, em Meca. De granito, em forma de cubo, parece ser extremamente antigo e semelhante a outros santuários que não sobreviveram. Incrustada na ala […]

JK

#285

14 de setembro de 2016

A experiência militar no Setor do Túnel durante a Revolução Constitucionalista foi decisiva para o destino posterior de Juscelino, que nunca deixou de se referir com simpatia à causa dos paulistas. Ele comenta assim a leitura dos jornais da época: “O apoio de Minas a Vargas havia fortalecido o governo provisório, que se tornava cada […]

#284

11 de setembro de 2016

A lenta erosão da autoridade que acabou debilitando os imperadores mogois na Índia oitocentista agora parecia estar se repetindo na capital que ainda se chamava Constantinopla para o Ocidente. Em seu papel religioso como califa, o sultão otomano era visto como a maior autoridade do islã sunita, ainda suserano dos lugares sagrados na península Arábica e […]

#283

10 de setembro de 2016

O caminho para a partilha da Índia teria muitas reviravoltas, nenhuma mais difícil de explicar do que a seguinte: um daqueles que levaram o nacionalista Jinnah para a Liga Muçulmana, de ardoroso sectarismo, foi um pan-islamista chamado Muhammad Ali Jouhar, que se tornaria o maior aliado muçulmano de Gandhi no Partido do Congresso. Ali tinha […]

#282

7 de setembro de 2016

A estrada de ferro de Bagdá, por assim dizer, nasceu do pecado. Não espanta que, à luz de toda a embromação política em torno da concessão, o progresso da construção não ocorresse em passo acelerado. Não ajudou muito o fato de a concessão ter sido assinada em meio a uma depressão mundial na virada para […]

#281

4 de setembro de 2016

Ao final do primeiro milênio após o nascimento de Cristo, a maior e mais culta cidade da Europa ocidental não era Roma, Constantinopla ou Londres. Era Córdoba, a capital da Andaluzia árabe, localizada no que atualmente corresponde ao sul da Espanha. Havia parques, palácios, estradas pavimentadas, lamparinas a óleo para iluminar as ruas, 700 mesquitas, […]

#280

3 de setembro de 2016

O conhecimento da destilação foi um dos muitos aspectos da sabedoria antiga preservado e aprimorado por acadêmicos árabes e, tendo sido traduzido do arábico para o latim, ajudou a reacender o espírito do conhecimento na Europa ocidental. A palavra alambique, que se refere a um tipo de destilaria, resume bem esta combinação de conhecimento antigo […]

#279

31 de agosto de 2016

Quinhentos anos atrás, as pessoas vivenciavam o mar de maneira bem diferente. A costa era um litoral de fome, despojado precocemente das árvores e em seguida do solo, por homens e cabras. No século XIV, Creta era capaz de fornecer a Dante uma imagem de ruína ecológica. “No meio do mar há uma terra perdida”, […]

#278

28 de agosto de 2016

Quem estava de fato administrando a França ocupada pelos nazistas? Certamente não era o “rei Otto” Abetz e seu círculo de intelectuais. Tampouco a SS, cuja presença seguiu sendo inexpressiva mesmo depois do estabelecimento de Carl Oberg como HSSPF, em maio de 1942. Na verdade, a teoria de Werner Best de “administração supervisionada” proporciona um […]

#277

27 de agosto de 2016

“Está prevista uma colaboração entre nossos países. Eu aceitei esse princípio.” Com estas palavras, o marechal Philippe Pétain, 84 anos, herói da batalha de Verdun, saiu de seu encontro com Hitler em Montoire em outubro de 1940 e anunciou a disposição de seu governo de trabalhar com Berlim. Alguns franceses ficaram consternados. “O único direito […]

#276

24 de agosto de 2016

Abu Jafar al-Mansur não queria correr risco algum na construção de sua nova capital imperial, pois ela seria uma cidade como nenhuma outra. O segundo califa abássida dos muçulmanos pediu orientação aos seus astrólogos reais de confiança, o ex-zoroastrista Nawbakht e Mashallah, um judeu de Basra convertido ao islamismo e agora “a principal pessoa para […]

#275

21 de agosto de 2016

Perto de Moçambique, disseram-lhes os mercadores, havia uma ilha muito rica, cuja a população metade cristã, metade muçulmana estava constantemente em guerra. Semi-incentivados, os portugueses perguntaram sobre o paradeiro de Preste João. Souberam que ele também vivia por perto e governava sobre numerosas cidades costeiras, cujos habitantes eram “grandes comerciantes e possuíam enormes navios”. A […]

#274

20 de agosto de 2016

A história de Preste João não era apenas uma fábula popular. Ela tinha crescido a partir de uma série de rumores, fraudes e verdades mal-entendidas, mas muitas figuras poderosas, incluindo uma sucessão de papas, acreditavam nela. Em 1122, um homem se anunciou como João, bispo da Índia, apresentando-se ao papa e descrevendo sua terra como […]

JK

#273

17 de agosto de 2016

Enquanto trabalhou para o interventor de Minas Gerais na década de 1930, Juscelino Kubitschek recebeu lições de técnica política de Antônio Carlos de Andrada, “o homem que tirava as meias sem tirar os sapatos”, mantendo boas relações com a nova geração de políticos intelectuais — como Gustavo Capanema e Mário Casasanta —, influenciados por Francisco […]

#272

14 de agosto de 2016

A alma, vendo que Dante a encarava, rasgou o próprio tórax com as mãos e disse: “Veja como eu me dividi! Veja como Maomé é mutilado! À minha frente vai Ali, seu rosto partiu do queixo até o topete.” Ele então pergunta a Dante quem ele é, demorando-se no cume, talvez para retardar a própria […]

#271

13 de agosto de 2016

O nono fosso do Oitavo Círculo do Inferno, que contém a alma daqueles que causaram cisma, é uma imagem horrível da guerra. Este é um dos momentos mais sombrios na imaginação de Dante. A unidade da humanidade é continuamente quebrada pelos criadores da discórdia, seja no cisma religioso, na guerra civil, na luta de partidos […]

#270

10 de agosto de 2016

O processo, que envolve vaporizar e depois condensar de novo um líquido a fim de separar e purificar suas partes constituintes, tem origens antigas. Um equipamento de destilação simples foi encontrado ao norte da Mesopotâmia por volta do quarto milênio a.C. A se julgar por inscrições posteriores em escrita cuneiforme, era usado para fazer perfumes. […]

#269

7 de agosto de 2016

Aquela pinha de entulho onde antes havia se erguido uma vila majestosa era um exemplo da quão dramaticamente a Itália decaíra de sua antiga grandeza para a impotência e a pobreza. Que os bandos de guerreiros sarracenos preferissem ocupar antigas ruínas em vez de monumentos erguidos em épocas mais recentes era uma prova sombria de […]

#268

6 de agosto de 2016

Enquanto Otão II se arrastava de volta a Roma com seu séquito arrasado pela derrota contra o emir da Sicília, acabaria passando por ruínas que já conhecia de sua viagem em sentido oposto: lembranças gigantescas do império desaparecido do qual alegava ser herdeiro. A ameaça daqueles templos e anfiteatros abandonados teria se abatido ominosamente sobre […]

#267

3 de agosto de 2016

Poderíamos ter vencido a guerra, ainda que nenhum erro militar fosse cometido? Minha opinião: é não. De 1941 em diante, e até o fim, ela já estava tão perdida quanto a Primeira Guerra, pois os objetivos políticos não guardavam absolutamente nenhuma relação com as possibilidades militares e econômicas da Alemanha. A única coisa que o […]

#266

31 de julho de 2016

Nas pegadas da Alemanha e da Rússia, também a Grã-Bretanha e a França estavam atentas para não ficar de fora. A Grã-Bretanha arrendou a antiga sede da Frota Norte, Weihaiwei, na extremidade oriental da península de Shandong — na costa oposta a Port Arthur, arrendada pela Rússia. O arrendamento britânico tinha a mesma duração dos […]

#265

30 de julho de 2016

Com a derrota para o Japão. O cenário de pesadelo, articulado com tanta eloquência pelo vice-rei Zhang Zhidong, ao se opor à assinatura do tratado de Shimonoseki, se materializou no fim de 1897. As potências europeias, agora insolentes e agressivas em relação a China, começaram a clamar por um pedaço do império. A Alemanha exigia […]

JK

#264

27 de julho de 2016

“A câmara-ardente havia sido armada no andar térreo, num salão da parte posterior do palácio, que dá para uma varanda. Para atingir o Catete, eu tivera de deixar o carro na rua Silveira Martins e fazer a pé o resto do percurso. Velei o corpo durante algum tempo. Enquanto ali estava pude presenciar cerca de […]

#263

24 de julho de 2016

A tendência dos babilônios seria evitar que um conflito se concretizasse, mesmo que para isso tivessem de se entregar a um soberano estrangeiro. Caos, na Mesopotâmia, sempre foi o pior dos pesadelos. Os homens sabiam que, no princípio do de tudo, o mundo esteve sob o poder dos demônios, incontroláveis e selvagens, até que os […]

#262

23 de julho de 2016

Os soldados de Dario o Grande, quando avistaram as muralhas da Babilônia assomando sobre eles em meio ao nevoeiro, devem ter sentido o coração acelerar: isso porque nada, nem mesmo os templos do Egito, os teria preparado para as proporções colossais do lugar. Mas é questionável se o general do exército não sentiu sequer uma […]