“Lutei 60 batalhas, e lhe asseguro que não aprendi nada em todas elas
que não soubesse na primeira”.
— Napoleão

#453

11 de outubro de 2017

Se Napoleão gostava de música contagiante, também gostava de livros estimulantes. Sua leitura favorita era História narrativa — “História é para homens” — e sua biblioteca portátil em mogno continha livros de História sobre quase todos os países e épocas. Em 1806, ele estava lendo Gregório de Tours e outros cronistas do final do Império […]

#452

8 de outubro de 2017

Um observador inglês escreveu em 1660: “Essa bebida do café causou uma maior sobriedade entre as nações. Enquanto anteriormente aprendizes e burocratas costumavam tomar uns com os outros uma dose matinal de cerveja ou vinho — o que, pela vertigem que causam no cérebro, fazia com que muitos ficassem impróprios para o trabalho —, eles […]

#451

7 de outubro de 2017

O ateísmo autêntico — a crença de que não existe qualquer divindade envolvida no universo ou nem sua criação, de que estamos sós — seria, é claro, uma consequência decisiva para a virada moderna que ocorreu na Europa nos séculos XVII e XVIII. Mas seria errado imaginar que o Iluminismo opunha-se à religião. Seus principais […]

#450

4 de outubro de 2017

Havia ouro no tesouro e um orçamento equilibrado pela primeira vez desde 1738; um novo código de leis administrado de forma justa, no geral; um sistema de ensino que abria todas as carreiras aos talentos; homenagens àqueles que demonstrassem um esforço excepcional; obras públicas realmente úteis — esses eram chamados de “maciços de granito”, para […]

#449

1 de outubro de 2017

Assim foi que Bolívar se tornou um convidado frequente nos distintos apartamentos da rue du Faubourg Saint-Germain, onde visitantes de todos os cantos da Europa se aglomeravam para observar sua extraordinária coleção de 60 mil espécimes botânicos da América subequatorial. Em sua esquisita mixórdia de línguas — em parte espanhol, em parte inglês, em parte […]

#448

30 de setembro de 2017

A maior parte do império foi construída quase totalmente dos ganhos obtidos durante duas guerras defensivas, as da Terceira e da Quarta Coalizões. Derrotando exércitos superiores em número por pura habilidade militar, a mesma que lhe havia trazido tantas vitórias na Itália. Tendo conquistado estes ganhos, Napoleão tinha a intenção de conservá-los como o meio […]

#447

27 de setembro de 2017

Voltaire tinha 61 anos quando, em 1755, resolveu sossegar. Prisão na Bastilha por duas vezes; exílio voluntário na Inglaterra; uma temporada inicialmente eufórica na corte de Frederico da Prússia seguida de equívocos, desavenças e finalmente uma dolorosa ruptura; uma relação complicada, calorosa e fria com Luís XV e madame Pompadour, tudo isso ficou para trás. […]

#446

24 de setembro de 2017

O ano da expulsão dos jesuítas de suas escolas, 1762, viu também outra revolução no pensamento educacional com a publicação do romance Émile, de Jean-Jacques Rousseau, que causou sensação ao ser lançado. Parte ficção, parte tratado de educação, o livro foi quase imediatamente condenado pelo arcebispo de Paris e queimado em praça pública. Apesar disso, […]

#445

23 de setembro de 2017

Pode ter sido na casa de Fanny du Villars que Bolívar conheceu o barão Alexander von Humboldt, pois se dizia que o grande naturalista frequentava seu salão. Mas é igualmente possível que o tenha conhecido por intermédio de Carlos Montúfar, que tinha chegado a Paris como integrante do séquito de Humboldt. Montúfar, botânico de Quito […]

#444

20 de setembro de 2017

Catarina, a Grande, acreditava numa autocracia iluminista. Ao colocar em prática essa crença, ela sempre levou em consideração a opinião pública. Tinha isso em mente quando escreveu a Diderot: “O que desisto de derrubar, vou minando”. Seu manejo do poder absoluto repousa na sensibilidade às nuanças do possível. Anos mais tarde, o assessor de Potemkin, […]

#443

17 de setembro de 2017

Observando as táticas de Napoleão, descobrimos que ele empregava excessivamente ataques simulados e movimentos de flanco. Em uma noite escura, aconteceu de Napoleão encontrar um inimigo que ficou para trás, um capitão veterano do exército austríaco. Sem revelar sua identidade, Napoleão perguntou em italiano como estavam as coisas. “Mal”, respondeu o austríaco. “Eles enviaram um […]

#442

16 de setembro de 2017

Napoleão conduziu seu exército surrado para baixo da costa da Terra Santa, e para dentro do Deserto do Sinai. Em fevereiro, a cavalo, essa jornada já havia sido ruim, mas agora, a pé, com uma longa fileira de feridos, em um calor que chegava a 54°C, era uma lenta tortura. No entanto, no começo de […]

#441

13 de setembro de 2017

A chegada de Bolívar a Paris foi pouco antes que o Senado francês proclamasse Napoleão imperador, em 18 de maio. A capital estava exultante, vibrando de perspectiva. Parecia não haver nenhum limite para aquilo que a França poderia realizar. Seus filósofos iluministas haviam moldado uma nova era; a Revolução, apesar de todas as suas atrocidades, […]

#440

10 de setembro de 2017

Quando Marat se levantou para falar, o plenário explodiu em vaias de reprovação. Quando os gritos cessaram, ele disse com uma voz fraca e rouca de vilão de pantomima: “Percebo que tenho inimigos aqui”. — “Todos, todos, todos são seus inimigos”, gritaram os colegas deputados. Sem se abalar, Marat abordou a acusação de tirania que […]

#439

9 de setembro de 2017

No começo de junho, Napoleão descobriu que o marechal Wurmser, um francês da Alsácia a serviço da Áustria, havia deixado o Reno com um grande exército austro-húngaro, e estava marchando para o sul para expulsá-lo da Itália. Napoleão calculou que Wurmser não conseguiria chegar antes de 15 de julho. Isso lhe deu seis semanas para […]

#438

6 de setembro de 2017

Chamado de “o Organizador da Vitória”. O engenheiro Lazare Carnot era um dos dois tecnólogos do Comitê de Salvação Pública. Ele publicaria importantes documentos nos campos da matemática, da física e da engenharia. Carnot determinara que, de modo a fazer frente à vasta coalisão contra o país, a França precisava capitalizar com sua vantagem numérica […]

#437

3 de setembro de 2017

A Paris Napoleônica era uma cidade voluptuosa, desenfreadamente liberal, repleta de todo tipo de entretenimento, desde casas de ópera resplandecentes até salões de jogos enfumaçados. As salas de espetáculos, que haviam se esvaziado durante a Revolução, agora eram cenários de esplendor noturno nos quais toda Paris se aglomerava para escutar a trompa virtuosística de Frédéric […]

#436

2 de setembro de 2017

As artes, particularmente a música e a tragédia, tinham um papel importante na vida de Napoleão, e ele, como os outros governantes da França, fez muito para estimulá-las, aproximando-se de escritores, pintores e músicos, e gastando generosamente no teatro e no balé. Mas o imperador era diferente de seus predecessores. Ele influenciou as artes não […]

#435

30 de agosto de 2017

Em 1789, quando a população de Paris foi para as ruas exigir de seu rei uma Constituição, os cientistas e inventores, os especuladores e panfleteiros da Europa fizeram nova pausa para prestar atenção, pois lá estava um esforço para estender os ideais políticos de seu Iluminismo a uma das nações mais antigas e estabelecidas do […]

#434

27 de agosto de 2017

Em seu relatório sobre “A Necessidade e os Meios para se Exterminar o Patois e Universalizar o Uso da Língua Francesa”, o abade Grégoire pintou um retrato alarmante de uma terra ainda infestada pela ignorância medieval. Já se sabia que nas regiões limítrofes da França imperavam língua bastante distintas do francês — o basco, o […]

#433

26 de agosto de 2017

No décimo sexto dia de prairial do ano II da República Francesa “una e indivisível”, ou seja, em 4 de junho de 1794, um deputado pelo departamento de Loir-et-Cher abria caminho para chegar à Convenção nacional numa cidade dilacerada por algo pior que a guerra tribal. Nesse dia, o cidadão Robespierre seria eleito presidente da […]

#432

23 de agosto de 2017

As figuras do Iluminismo desejavam que as pessoas tivessem suas mentes completamente livres, que fizessem uso da razão. Isso incluía a aplicação da razão à fé: avaliar e valorar as substâncias subjacentes da vida — o universo, Deus, a natureza — com olhos abertos, sem necessariamente empregar as ferramentas da fé sistematizada. Pode-se dizer que, […]

#431

20 de agosto de 2017

Mesmo antes da primeira carta de Voltaire, em 1763, Catarina tinha feito contato com outro expoente o Iluminismo, Denis Diderot. Nascido numa cidadezinha perto de Dijon, em 1713, Diderot era tão afetuoso quanto Voltaire era cínico, tão tosco quanto Voltaire era sofisticado e polido, e manteve durante toda a vida a inocência de uma criança […]

#430

19 de agosto de 2017

Em meados do século XVIII, a maioria dos europeus ainda via a Rússia como um país semi-asiático, culturalmente atrasado. Catarina estava decidida a mudar isso. A vida artística e intelectual do século era dominada pela França, e a governanta de Catarina em Stettin fizera do francês sua segunda língua. Durante os 16 anos sofridos e […]

#429

16 de agosto de 2017

Quando descreveu pela primeira vez seu conceito de uma guerra democrática — uma guerra de defesa, não de conquista, conduzida por todo o povo, armado de lanças se não houvesse outra coisa —, Robespierre era uma voz excêntrica isolada nos jacobinos. Um ano depois, o povo ergueu-se, como ele previra, pegando as armas que estavam […]

#428

13 de agosto de 2017

No verão de 1795, a maioria das potências na coalizão anti-francesa passara a se concentrar em outros assuntos — Prússia, Holanda e Espanha assinaram acordos de trégua com Paris — coube à Áustria conduzir praticamente sozinha a guerra por terra contra a França. A única aliada de peso da Áustria contra a França revolucionária era […]

#427

12 de agosto de 2017

Os inimigos da França Revolucionária haviam dado à facção da guerra um belo encorajamento: após a fuga malograda e a prisão de Luís XVI no verão anterior: uma coalizão de potências monárquicas lideradas pelo imperador austríaco emitira uma declaração ameaçando reunir “as forças necessárias” para vir em auxílio do rei. Era na verdade uma ameaça […]

#426

9 de agosto de 2017

Brissot, que, diferentemente de Robespierre e Pétion, era elegível para o novo corpo legislativo (pois nunca fora membro oficial do predecessor), era o líder do partido pró-guerra. Ele não comparecia a um encontro jacobino havia meses, quando decidiu repentinamente ir ao clube e confrontar Robespierre em seu próprio território. Na noite de 16 de dezembro […]

#425

6 de agosto de 2017

Ainda que haja uma boa dose de verdade nessa simplificação, há também uma dose de engodo. A carreira de Descartes, o foco de toda sua vida na medicina ou na dissecação e na observação, torna menos nítido o rótulo do racionalismo. Indo mais diretamente ao ponto: ele foi fundamental tanto para a tradição racionalista quanto […]

#424

5 de agosto de 2017

O indivíduo com maior parcela de responsabilidade nessa mudança — a pessoa que, pode-se dizer, lançou Descartes para o passado sem muito esforço — foi Issac Newton. As leis de Newton para o movimento, seu trabalho em ótica e o desenvolvimento dos princípios da gravidade formaram uma base sólida e prática sobre a qual a […]

#423

2 de agosto de 2017

Jacques de Guilbert e seus colegas se concentraram em profissionalizar o corpo de oficiais por meio da educação e criaram as melhores academias da Europa. Também deram os primeiros passos no sentido de dotar a soldados de dignidade e ordem. Construíram quartéis, de modo que os soldados treinassem constantemente com seus regimentos, em vez de […]

#422

30 de julho de 2017

Como Londres, os cafés de Paris eram locais de encontro intelectuais e tornaram-se centros do pensamento iluminista. Diderot realmente compilou a Encyclopedia no café de la Régence, que ele usava como seu escritório. Em suas memórias, ele lembrou que sua mulher costumava lhe dar nove sous a cada manhã para pagar um dia inteiro de […]

#421

29 de julho de 2017

Nessa época, a maioria dos cafés parisienses não se esparramava para a rua, mas servia seus fregueses em grandes salões internos com mesas de tampo de mármore, paredes douradas, espelhos e candelabros. Mas o Palais Royal, com seus pátios amplos, protegidos, os cafés colocavam mesas ao ar livre, onde fregueses podiam ler ou conversar em […]

#420

26 de julho de 2017

Quando Napoleão ditava uma carta ele se concentrava tanto que “era como se estivesse conversando em voz alta com seu correspondente ali mesmo”. Dois dos homens que melhor o conheciam, um deles um civil e o outro um general, afirmam de forma independente que a concentração era o dom mental mais distinto de Napoleão. “Nunca […]

#419

23 de julho de 2017

A revolução não foi um mero endosso intelectual a uma realidade social preexistente. Ela também fazia parte do grande processo transformador que conduziu os Estados Unidos à sociedade liberal e democrática do mundo moderno. Embora a América colonial já fosse um lugar diferente da Europa em 1760, a região ainda conservava, junto com perucas empoadas […]

#418

22 de julho de 2017

O que aconteceu com os cartesianos é uma das tramas subterrâneas da modernidade. Em certo sentido, foram engolfados pela grande onda que varreu a Europa no fim do século XVII e início do XVIII e que atendia pelo nome de “anglomania”: o centro de gravidade da “nova filosofia” deslocara-se da França para a Inglaterra. Isso […]

#417

19 de julho de 2017

Quando Napoleão se tornou cônsul, nas primeiras semanas teve de aceitar empréstimos temporários de banqueiros privados a 16%, embora considerasse usurária uma taxa acima de 6%. Insatisfeito com esse acordo, no dia 13 de fevereiro de 1800 ele criou o Banco da França, com um capital inicial de 30 milhões de francos, para emprestar essa […]

#416

16 de julho de 2017

Apesar do declínio do rei ante a Assembleia Nacional, as tropas reais que reuniam em Paris e em torno da cidade — e que contavam com alguns regimentos de soldados estrangeiros, mais propensos a atirar em civis franceses caso fosse necessário — estavam deixando os deputados recém-vitoriosos muito nervosos. No começo de julho, elas já […]

#415

15 de julho de 2017

A Sessão Real de Luís XVI aconteceu em 23 de junho, um dia depois do prometido pelos cartazes. Necker estava ausente. Consciente das intenções do rei, ele aconselhara com veemência que não fosse feita qualquer tentativa de dissolver a Assembleia Nacional, mas mais uma vez foi ignorado. Todas as concessões políticas e fiscais que o […]

#414

12 de julho de 2017

Enquanto a pátria-mãe rebentava em violência, enquanto juntas de governo surgiam pela Espanha proclamando lealdade a Fernando VII, suas colônias seguiam vivendo em apática ignorância. O bloqueio inglês havia silenciado as comunicações de um lado a outro do Atlântico, e a equivocada Lei de Embargo de Thomas Jefferson, anunciada poucos meses antes, tinha obstruído todo […]

#413

9 de julho de 2017

Inspirado na obra do penalista italiano liberal Cesare Beccaria — Dos delitos e das penas, 1764 —, Jovellanos se preocupou bastante com a reforma penal. Em sua atuação como dramaturgo, que ele também foi, escreveu uma comédia sobre o crime e o castigo. Ele lutou pela abolição da tortura judicial e contra o acúmulo infindável […]

#412

8 de julho de 2017

Quando Goya pintou seu retrato, Jovellanos tinha 44 anos, oito anos mais novo que seu amigo artista. Ele era estadista e escritor, o crítico social mais afiado de sua geração na Espanha e seu mais consumado estilista em prosa. Possuía uma coleção de arte pequena, mas selecionada, que incluía uma Imaculada Conceição de Zurbarán, um […]

#411

5 de julho de 2017

O impacto da introdução do café na Europa durante o século XVII foi particularmente notável, já que as bebidas mais comuns da época, mesmo na primeira refeição da manhã, eram a “cerveja fraca” e o vinho. Ambos eram bem mais seguros para se consumir que a água, sujeita à contaminação, principalmente em cidades abarrotadas de […]

#410

2 de julho de 2017

A França era uma monarquia absolutista, então o direito à oposição era muito raro. Os parlamentos atraíam o interesse e o apoio do povo sempre que enfrentavam o governo de Luís XVI, mesmo quando obstruíam reformas sensatas. Enquanto isso, o país cambaleava à beira da falência, com uma dívida pública que ia muito além dos […]

#409

1 de julho de 2017

Quando Luís XVI herdou a coroa em 1775, descobriu que seu predecessor recorrera ao exílio dos parlamentos problemáticos. Todavia, o novo rei reconvocou-os imediatamente, declarando: “Isso pode ser considerado imprudente do ponto de vista político, mas parece ser a vontade geral.” As palavras de Luís XVI provaram-se prescientes, pois à medida que o século chegava […]

#408

28 de junho de 2017

O Antigo Regime não possuía um órgão legislativo como o Parlamento inglês. Os parlamentos franceses eram órgãos judiciários. Embora os tribunais do almirantado tratassem disputas surgidas em batalhas navais e no comércio colonial, os assuntos mais importantes eram encaminhados aos 13 parlamentos regionais — bem como para o Parlamento de Paris, também chamado de Parlement […]

#407

25 de junho de 2017

A maioria dos pensadores iluministas via a guerra com desprezo, como um resquício atávico do passado irracional e dos valores medievais da humanidade, combinado à simples brutalidade, cobiça, luxúria e crueldade à moda antiga. Eles achavam que à medida que a sociedade amadurecia para uma era mais racional e científica tal barbárie deixaria de existir. […]

#406

24 de junho de 2017

Um espécie de linha de falha cortava o país de ponta a ponta. O abade Grégoire enxergou, mas apenas parte desta fissura — a cisão entre as línguas d’oc e d’oil —, e atribuiu a culpa à “prévia dominação feudal”. De fato, a divisão curiosamente nítida entre o oc e o oïl parece acompanhar as […]

#405

21 de junho de 2017

“Jamais consegui me fazer entender pelos camponeses que se encontravam pela estrada. Falava com eles em francês; no meu patois regional; tentava o latim; tudo em vão. Finalmente, quando me cansava de falar sem ser entendido, eram eles que falavam comigo numa língua totalmente incompreensível para mim”. O autor deste trecho foi um padre dos […]

#404

18 de junho de 2017

A igualdade — a ideia mais poderosa de toda a história americana — previa o fim da incessante disputa por posição ou gradução e as ferozes contendas entre várias facções políticas que tanto afligiram o passado colonial. Como se acreditava que a discórdia estava enraizada nas desigualdades artificiais da sociedade colonial, criadas e fomentadas pela […]