“Morrer se preciso for, matar nunca!”
— Marechal Cândido Rondon

#233

15 de maio de 2016

Após o impulso inicial dado pela rainha apreciadora do chá, o segundo fator de sua ascensão foi o papel da Companhia Britânica das Índias Orientais, que obtivera para a Inglaterra o monopólio das importações provenientes das Índias Orientais. Embora ela inicialmente não tivesse acesso direto à China, os registros da Companhia mostram que começou a […]

#232

14 de maio de 2016

As primeiras importações da Companhia provenientes das Índias Orientais (de Bantão, onde hoje se localiza a Indonésia) chegaram em 1669, e o chá foi pouco a pouco se tornando mais amplamente disponível. Era de início uma mercadoria de menos importância, já que a Companhia concentrou-se primeiro na importação de pimenta e depois na de têxteis […]

#231

8 de maio de 2016

Kissinger chegou a Paris com a esperança de conseguir concessões de ambos os lados com o tratado. Ele pretendia dizer aos norte-vietnamitas que, se eles não fechassem o acordo, os Estados Unidos continuariam com o bombardeiro, e alertar aos sul-vietnamitas que se eles não concordasse com a paz, seriam abandonados. “É algo delicado jogar ambos […]

#230

7 de maio de 2016

Kissinger estava sensível a manifestações públicas de que ele ofuscava o presidente. “A publicidade que recebi fez com que ele [Nixon] buscasse mostrar que estava no comando”, disse Kissinger posteriormente. “Comecei a perceber uma competição uma competição que certamente mais cedo ou mais tarde destruiria minha posição como assessor e que foi acelerada pelas emoções […]

#229

4 de maio de 2016

Devido aos muitos anos que passara no exterior, escreveu Gandhi, ele não sabia de “muitas coisas que, como indiano, eu deveria ter sabido”. Antes da campanha de satyagraha em 1924, jamais tinha ouvido falar da inaproximabilidade. A existência dessa prática, disse, “me estarreceu e me deixou perplexo”. Aquilo o surpreendeu ainda mais porque Travancore tinha […]

#228

1 de maio de 2016

A partir do golpe em 1978, o novo líder afegão era Mohammed Taraki, era um pensador marxista de 61 anos, instruído, que começou a colocar suas teorias em prática do modo tradicional, apesar da natureza profundamente conservadora da sociedade islâmica do país. Reuniu e executou centenas de adversários e passou por cima de antigos costumes. […]

#227

30 de abril de 2016

Quando o Sultão Mehmed II entrou em Constantinopla em seu tordilho naquela tarde de terça-feira, foi primeiro a Santa Sofia, a igreja da Santa Sabedoria, e pôs a basílica sob sua proteção antes de ordenar que fosse transformada em mesquita. Cerca de 65 horas mais tarde, retornou à basílica para as preces e rituais do […]

#226

25 de abril de 2016

A carnificina que revoltava o chanceler se devia, em parte, ao rifle da infantaria francesa, o chassepot, que se mostrou um instrumento de destruição mais eficaz do que o rifle prussiano de carregamento pela culatra. A arma francesa tinha um alcance maior, e suas balas eram capazes de esmagar ossos e rasgar músculos, produziram terríveis […]

#225

24 de abril de 2016

Em pouco tempo, quase meio milhão de homens estavam em luta encarniçada. A ala direita do Exército austríaco caiu. Os prussianos tomaram de assalto as defesas austríacas e empurraram o inimigo de posição em posição. A disciplina militar dos Habsburgo desmoronou, com soldados abandonando seus estandartes. — Covardes! Fiquem aqui, seus vira-latas — gritavam os […]

#224

23 de abril de 2016

A campanha se encaminhou rapidamente para uma catástrofe. Na noite de 2 de julho, o alto-comando prussiano soube que os austríacos estavam fortemente concentrados na margem oposta do Bistritz. Moltke, que se retirara cedo, foi tirado da cama. “Gott sei Dank!”, disse ele. Deus seja louvado! Tinha chegado o momento. Ele temera que o feldherr […]

#223

20 de abril de 2016

“Nunca houve ou haverá acontecimento mais terrível,” anotou um escriba monástico em Creta, quando em junho de 1453, chegou à ilha a notícia da queda de Constantinopla diante dos turcos. Esse clima de horror ecoou no Papado em Roma, na Veneza republicana, em Gênova, em Bolonha, em Florença e em Nápoles, como também nas cidades […]

#222

17 de abril de 2016

No começo, a ilustración espanhola tinha um caráter derivativo e indireto. Isso era particularmente visível no domínio do pensamento científico — pois o Iluminismo do norte europeu fora plantado com firmeza sobre a crença na primazia da razão científica e na revelação da Lei Natural. Não havia um equivalente espanhol para a Enciclopédia de Diderot […]

#221

16 de abril de 2016

Grandes extensões de terra, em teoria férteis, mas desgraçadamente negligenciadas em estado deplorável por gerações, permaneciam estéreis e não cultivadas — vítimas da propriedade em larga escala da Igreja e da aristocracia, que nada fizeram para desenvolvê-las, mas que não as venderiam a quem assim o desejasse e pudesse. O poder da Igreja na Espanha […]

#220

13 de abril de 2016

Dois grandes bancos se destacaram no negócio, atuando como agentes capazes de reunir capitais para montar os empreendimentos, depois como banqueiros deles, e por fim como representantes dos investidores na fiscalização de sua gestão. Formavam o topo da pirâmide econômica da época, e atuavam basicamente em três áreas: ferrovias, grandes empreitadas (obras como o canal […]

#219

10 de abril de 2016

O templo de Shiva, em Vaikom, ergue-se no centro de um amplo terreno murado, mais ou menos no tamanho de quatro campo de futebol. Pode-se chegar a ele por três dos quatro lados, percorrendo ruas que cortam o mercado da cidadezinha a sudeste de Cochin, hoje Kochi. Afora algumas figueiras-dos-pagodes, algumas manchadas de grama e […]

#218

9 de abril de 2016

O periodo depois da Guerra da Secessão, em especial a partir da presidência de Ulysses S. Grant (1869-1877), general nortista vencedor da guerra, ficou conhecido como o momento de grande expansão da indústria americana, das invenções e das inovações técnicas. A historiografia do país chama essa época de gilded age, idade dourada, mas ela também […]

#217

6 de abril de 2016

Os soviéticos nunca planejaram uma guerra no Afeganistão. A sua intenção não era ocupar o país. Desde 1945, as outras ocasiões nas quais as tropas soviéticas tinham sido enviadas para conflitos no exterior haviam sido para vizinhos do Pacto de Varsóvia, seus Estados-satélites, para reafirmar seus domínio. Aquelas invasões — como a Hungria em 1956 […]

#216

3 de abril de 2016

A reação do governo britânico contra os charlatães e manipuladores de mercado era exatamente nenhuma: o Estado não era mais vigia da moralidade privada, e esses assuntos não lhe diziam mais respeito. Os juízos sobre a potencialidade e moralidade dos negócios passaram então a nascer em outro local, a Bolsa de Londres. Ali as propostas […]

#215

2 de abril de 2016

As facilidades do livre mercado geraram uma onda de efervescência que se tornou a marca do apogeu inglês. Depois das ondas de fundação de empresas têxteis e das siderúrgicas, o crescimento da economia passara a se basear em outro tipo de negócio: a indústria de máquinas e equipamentos. Disseminou-se a febre das descobertas, em que […]

#214

30 de março de 2016

Na superfície, o quadro pode parecer uma manifestação notavelmente pia da parte de Isabella, que estaria venerando a família como aos santos. Mas ao que parece ela enxergava a fé como algo a ser invocado em seu auxílio quando exigia a ocasião: relíquias podiam ser veneradas para curar uma moléstia, ao passo que a confissão […]

#213

27 de março de 2016

A alma se contorce, enrosca os pés e então, suspirando e se lamentando responde: “O que quer de mim? Se quer saber, um dia eu também usei o grande manto. Filho de uma ursa, eu estava tão ávido para enriquecer os filhotes que aí em cima eu embolsei moedas e aqui embaixo eu embolso a […]

#212

26 de março de 2016

A solução que Dante inventou para colocar o ainda vivo papa Bonifácio VIII no Inferno é engenhosa e dramática. Olhando para baixo do ponto mais elevado da ponte que atravessa o terceiro fosso, onde o pecado da simonia é punido, ele vê uma vala aberta com buracos redondos. Estes fazem Dante se lembrar dos recipientes […]

#211

23 de março de 2016

Se Ferraz ou Itaboraí tivessem um mínimo de conhecimentos sobre o que se passava por trás da estabilidade da libra, ficariam chocados como virgens vitorianas. Enquanto eles lutavam para controlar uma atitude econômica que viam como caótica e interesseira, pensando com isto estabilizar a moeda, a Inglaterra acelerava os passos justamente na direção contrária. Desde […]

#210

20 de março de 2016

Se Isabella não tinha alterações com aqueles do lado esquerdo do quadro, o que dizer das figuras à direita? Ali Francisco e Paulo apareciam lado a lado, vestidos como santos guerreiros inidentificáveis. É difícil deixar de notar Francisco, que, ao contrário dos demais personagens, não gesticula de maneira visível ao espectador, como que espreitando sinistramente ao […]

#209

19 de março de 2016

É entre santos ao redor do grupo central, porém, que se desenvolve o drama real do quadro. Três figuras são retratadas à esquerda de Cristo. Cosimo de Medici aparece, tal qual em outras pinturas, como são Cosme, enquanto Ferdinando, em trajes clericais, surge atrás do pai na figura do companheiro de Cosme, são Damião. Os Medici […]

#208

16 de março de 2016

Na América Latina, Theodore Roosevelt ficou mais conhecido pelo aforismo “speak softly and carry a big stick”, ou seja, “fale manso e tenha sempre à mão um grande porrete”. A política externa de Roosevelt ficou marcada por várias intervenções imperialistas no subcontinente, em especial na América Central e no Caribe. O Canal do Panamá, por […]

#207

13 de março de 2016

Em 1300, a data fictícia da Divina Comédia, o papa Bonifácio VIII ainda estava vivo; na verdade, este foi o ano do grande jubileu. Na época em que Dante escreveu o Canto XIX do Inferno, Bonifácio já tinha morrido há muitos anos; seu falecimento, em 1303, foi causado pela agressão feita a ele pelo rei […]

#206

12 de março de 2016

As mudanças que ocorreram no fim do século XVII e início do XVIII não se restringiram ao desenvolvimento de engrenagens e polias. Envolvia algo mais, para além da mera inventividade. A ideia de fazer da razão a base para o pensamento e para o comportamento teve consequências quase imediatas na esfera social. Já na década […]

#205

9 de março de 2016

Figuras mais radicais do Iluminismo — Anthony Collins, Alberto Radicati, Franciscus van den Enden e outros — não têm o mesmo poder de atração que outros astros, mais moderados, do período. Mas nem todos se afundaram na obscuridade. Jonathan Israel defende que a principal força por trás da ala radical, o padrinho intelectual dela (e […]

#204

6 de março de 2016

Revoltas urbanas entre 1965-68 também desgastaram a reputação política de Johnson. O apoio à Lei de Direitos Civis de 1964, a Lei do Direito de Voto de 1965 e a um programa de ação afirmativa anunciado em um discurso de 1965 na Universidade Howard fez de Johnson um herói entre os que lutavam contra a […]

#203

5 de março de 2016

Apesar da vitória esmagadora de Lyndon Johnson sobre Goldwater em 1964 e seu extraordinário sucesso em 1965 e 1966, a popularidade de LBJ foi severamente reduzida ao longo dos dois anos seguintes. A culpa, como o próprio Johnson dizia, era “daquela porcaria de guerra no Vietnã”, uma luta aparentemente interminável que já tinha custado aos Estados […]

#202

2 de março de 2016

Havia uma razão central para que os tanques do Exército Vermelho não fossem enviados a Varsóvia para reprimir o Solidariedade lidarado por Lech Walesa, e ela foi explicada por Mikhail Suslov, talvez o apologista mais linha-dura do imperialismo russo em todo o comando soviético. “Simplesmente não podemos ter outro Afeganistão”, ele disse, quando os poderosos […]

#201

28 de fevereiro de 2016

Ao descrever o encontro para os colegas de redação, Chateubriand disse que Getulio “seria até uma pessoa agradável, não fosse o cheiro do charuto fedorento que mantém o tempo todo na boca, como uma chupeta de bebê”. Apesar da aversão ao fumo, Chateubriand teria de suportar o vício do gaúcho pelos meses seguintes, quando este […]

#200

27 de fevereiro de 2016

Apesar de continuar fazendo clara oposição a Bernardes, Chateubriand mantinha relações cordiais com políticos que apoiavam o presidente, entre os quais se encontrava o deputado federal gaúcho Lindolfo Collor, que era também redator-chefe de O País. E foi Collor quem o procurou para dizer que um colega seu da Câmara Federal queria conhecer de perto […]

#199

24 de fevereiro de 2016

A carta de Isabella ao irmão mais velho mencionava verdades que ela não poderia assinar com seu nome. No passado, ela recorrera a canções para desabafar seus sentimentos, para se expressar por intermédio de meias verdades, para fazer alusões que poderiam ser interpretadas de mais de um maneira por ela mesma e por aqueles a […]

#198

21 de fevereiro de 2016

O novo ministro da Fazenda, Ângelo Moniz da Silva Ferraz (Barão de Uruguaiana) fazia o estilo do visconde de Itaboraí melhor que o próprio. Primeiro, tratou de fazer uma manobra de diversão para ocupar seus adversários: baixou decretos obrigando ao uso de selos (uma forma de cobrar impostos) em todos os títulos comerciais — e as […]

#197

20 de fevereiro de 2016

A Crise de 1857 acabou com milhares de empresas nos Estados Unidos, e outras tantas no resto do mundo. Nem mesmo o Brasil escapou; o número de falências mais que dobrou entre 1857 e 1858. Entre os perdedores certamente estavam pessoas que não puderam suportar as perdas ao ficar do lado da libra no momento […]

#196

17 de fevereiro de 2016

A Primeira Guerra Mundial mudou Jorge V da Grã-Bretanha de maneira definitiva. Ele não mais perderia aquela aparência cansada e de olhos inchados. “Essa guerra terrível e desnecessária” o obcecava, e para ele o mundo do pós-guerra era estranho, frio, um mundo onde já não influíam tanto os códigos pelos quais fora criado. Ele detestava […]

#195

14 de fevereiro de 2016

O Führer descartou categoricamente, como sempre fizera, qualquer possibilidade de capitulação. Declarou que um colapso do Reich alemão estava fora de questão. Mas as observações que fez depois traíam o fato de que estava contemplando precisamente essa ideia. Tal colapso representaria “o fim de sua vida”, declarou. Estava claro que, nessa eventualidade, o bode expiatório […]

#194

13 de fevereiro de 2016

Junto com a sede por vingança brutal, o atentado fracassado do Exército (Operação Valquíria) deu mais um poderoso alento ao seu sentimento de caminhar com o destino. Com a “Providência” ao seu lado, como ele imaginava, sua sobrevivência era para ele a garantia de que cumpriria sua missão histórica. O atentado intensificou a queda no […]

#193

10 de fevereiro de 2016

Enquanto ouvia os discursos na inauguração da estrada de ferro em 30 de abril de 1854, o ministro do Império, visconde de Bom Retiro, chegou a ficar preocupado. Ele era um dos raros amigos do imperador que gostava de Irineu. Nos últimos dias, tinha conversado bastante com dom Pedro II, e chegou a convencê-lo de […]

#192

7 de fevereiro de 2016

Como Nixon, a tumultuada infância de Kissinger influenciou sua busca por poder e prestígio. O próprio Kissinger nunca admitiu esse fato. “Agora está na moda explicar tudo por meio de psicanálise”, disse a um entrevistador em 1971, “porém, minha vida não é controlada pelas perseguições que sofri na minha infância.” No entanto, tudo o que […]

#191

6 de fevereiro de 2016

Quando o jornalista Tom Wicker encontrou Richard Nixon pela primeira vez, no hall do Senado americano, em 1957, ele tinha 44 anos e ocupava a vice-presidência americana havia cinco. Nixon “caminhava devagar, com os ombros caídos, as mãos nos bolsos da calça, cabeça baixa e os olhos aparentemente fixos … no piso ornado do Capitólio. […]

#190

2 de fevereiro de 2016

A construção de estradas de ferro, antigo sonho, não só de São Paulo, mas de outras províncias, começou a ser viabilizada pela lei de 1852 que concedia gordos incentivos a quem investisse no setor. Entre outros, figurava a garantida de juros de 5% a 8%, conforme o caso, aos investidores, sobre o capital investido. Isso […]

#189

31 de janeiro de 2016

Catarina de Bragança tornou-o elegante, e a Companhia das Índias Orientais tornou-o disponível. Mas o chá também tornou-se sociável com a invenção de novas maneiras de consumi-lo, tanto em locais privados quanto publicamente. Em 1717, Thomas Twining, proprietário de um café público de Londres, abriu uma loja ao lado especificamente para vender chá, e particularmente […]

#188

30 de janeiro de 2016

Não é exagero dizer que quase ninguém na Inglaterra tomava chá no começo do século XVIII, e que quase todos o tomavam no fim do mesmo século. As importações oficiais cresceram de cerca de seis toneladas em 1699 para 11 mil toneladas cem anos mais tarde, e o preço de uma libra de chá no […]

#187

27 de janeiro de 2016

Em 29 de maio de 1894, depois de inspecionar a costa, o conde Li apresentou ao monarca outro relatório otimista. Dessa vez, porém, notavam-se sinais de apreensão: o conde mencionou que o Japão vinha comprando vasos de guerra a cada ano e que a China estava ficando para trás nesse quesito. Contudo, evitou deixar claras […]

#186

24 de janeiro de 2016

Em 1765, a arquiteto Michel Vallin de la Mothe projetou um recinto privado, uma galeria para expor os novos quadros. Ela chamou esse espaço de Heritage, que mais tarde ficou conhecido como Pequeno Hermitage. Mothe construiu um prédio de 3 andares anexo ao enorme Palácio de Inverno de Rastrelli e, talvez por ser em tamanho […]

#185

23 de janeiro de 2016

O imenso Palácio de Inverno, em estilo barroco, obra-prima assinada por Bartolomeo Rastrelli, levou 8 anos para ser construído e só ficou pronto em 1761, ano da morte de Elizabeth. Pintado de verde-claro e branco, com fachada de 135 metros de altura, tem uma estrutura pesada, 1050 cômodos e 117 escadarias. Seis meses depois, quando […]

#184

20 de janeiro de 2016

Indivíduos muito mais bem-dotados do que Hitler teriam se sentido sobrecarregados e incapazes de dar conta da escala e da natureza dos problemas administrativos envolvidos na condução de uma guerra mundial. Os triunfos de Hitler na política externa, nos anos 1930, depois como líder da guerra, até 1941, não se deviam ao seu “gênio artístico” […]