#866

8 de agosto de 2019

Para sua posição cada vez mais inflexível com os soviéticos, Harriman foi bastante influenciado por Kennan que, na opinião de Harrison Salisbury, “conhecia melhor os russos do que qualquer pessoa de minha geração.” Depois de chegar a Moscou em junho de 1944, Kennan, que já havia servido lá no início dos anos 1930, sublinhou para […]

#865

7 de agosto de 2019

Enquanto Paris fervia de felicidade com sua libertação, os residentes de outra capital europeia ocupada estavam em plena luta pela sua. Três semanas antes de os aliados entrarem em Paris, cerca de 25 mil membros do movimento clandestino polonês desencadearam um levante em Varsóvia contra seus ocupantes názis. A rebelião coincidiu com uma ofensiva em […]

#859

31 de julho de 2019

Ofuscada pela Sturm und Drang [ação e emoção] da controvérsia sobre a França, outra nação europeia cativa — a Polônia — também se viu em dificuldades com seus maiores e mais poderosos aliados. Até que a União Soviética fosse catapultada para a guerra em junho de 1941, a Polônia havia contribuído mais para a sobrevivência […]

#858

29 de julho de 2019

Em meados de julho, os 25 mil prussianos e 14 mil russos avançaram sobre Varsóvia, vindo de duas direções. No fim de julho, o próprio Frederico Guilherme chegou para comandar o cerco a Varsóvia. Os prussianos não fizeram grandes progressos. Em setembro, o rei declarou que precisava das tropas para enfrentar a ameaça da França, […]

#857

28 de julho de 2019

A percepção de agressão e ameaça russas era amplificada na França pelo marquês de Custine, cujo divertido diário de viagem La Russie en 1839 fez mais que qualquer outra publicação para moldar a postura europeia em relação à Rússia no século XIX. Um relato das impressões e reflexões do nobre a partir de uma viagem […]

#856

27 de julho de 2019

Napoleão I foi particularmente influenciado pelo falso “Testamento de Pedro I”. Seus principais conselheiros de política externa citavam livremente suas ideias e sua fraseologia, alegando, nas palavras de Charles Maurice de Talleyrand, o ministro das Relações Exteriores do Diretório e do Consulado (1795-1804) que “todo o sistema [do império russo] seguido constantemente desde Pedro I […]

#855

26 de julho de 2019

Em 9 de abril de 1792, a França deu uma ajuda involuntária a Catarina, declarando guerra à Áustria. Agora a imperatriz podia ter certeza de que a Áustria não iria honrar seu compromisso de apoiar a Constituição polonesa de 3 de maio. No final de abril, Catarina comunicou a Berlim e Viena sua intenção de […]

#854

25 de julho de 2019

As surpreendentes vitórias da Rússia em 1770 – o avanço do Exército no mar Negro e no Danúbio, a presença da esquadra no Mediterrâneo e a total destruição da frota turca em Cesme – encheram a Europa de um assombro carregado de medo. A rápida expansão do poderio russo afligiu tanto as nações amigas como […]

#848

18 de julho de 2019

O tsar Nicolau I deixou a Inglaterra com a firme convicção de que as conversas que tivera com os ministros Peel e Aberdeen eram definições políticas e que podia contar com uma parceria com a Grã-Bretanha com o objetivo de conceber um plano coordenado para a partição do decadente Império Otomano quando isso se tornasse […]

#794

17 de maio de 2019

Mesmo na Alemanha, a primavera de 1942 levou à percepção de que as rações de alimentos dentro do Reich teriam de ser reduzidas. Em vista da convicção de Hitler de que a própria segurança do regimeestava ligada à manutenção dos padrões de vida alemães, foi com certeza uma das crises políticas mais graves por que […]

#735

11 de março de 2019

Apesar das frustrações políticas para Carlos XII da Suécia, os anos na Polônia, de 1702 a 1706, foram uma era de glória militar, de explorações heroicas, de ampliação da lenda. No outono de 1702, por exemplo, seguindo a batalha de Klissow, Carlos, com apenas trezentos suecos, foi até os portões da Cracóvia e, de seu […]

#734

10 de março de 2019

Carlos XII sentia a moralidade insultada. Augusto o Forte, eleitor da Saxônia, rei da Polônia, seu primo, governante europeu culto, era um patife traiçoeiro, muito pior do que o czar. Pedro da Rússia pelo menos havia declarado guerra antes de atacar; Augusto simplesmente marchou Livônia adentro sem emitir qualquer aviso. Como Carlos poderia ter certeza […]

#731

6 de março de 2019

Quando a primavera de 1701 chegou, Carlos XII da Suécia ainda considerava a ideia de invadir a Rússia, mas com menos entusiasmo. Seu desprezo pelos soldados russos havia crescido e ele já os considerava indignos de serem combatidos. Tinha a impressão de que outra vitória sobre Pedro somente faria a Europa dar risada, ao passo […]

#672

27 de dezembro de 2018

Além do trabalho nas congregações, os cardeais — príncipes da Igreja — tinham obrigações de natureza cerimonial. Todos os cardeais, por exemplo, deviam comparecer à Porta del Popolo, acompanhados por seus cavalos alegremente enfeitados por seus criados, para receber os novos embaixadores, príncipes estrangeiros e seus parentes. Depois de saudar o augusto visitante, entravam em […]

#345

1 de fevereiro de 2017

Havia, porém, um procedimento político que poderia neutralizar a interrupção de reformas através do “liberum veto”. Era estabelecer uma “confederação” temporária, a reunião de um grupo de nobres para atingir um objetivo específico. Uma vez convocada, a Dieta confederada podia tomar decisões por votos da maioria (e não por unanimidade) e, tendo chegado à solução […]

#339

18 de janeiro de 2017

A Comunidade Polaco-Lituana, construída pela fusão do reino da Polônia com o grão-ducado da Lituânia, era tão grande quanto a França. Estendia-se leste a oeste entre os rios Dnieper e Oder, e de norte a sul, do Báltico aos Cárpatos e às províncias turcas balcânicas do rio Danúbio. A fronteira da Polônia com a Rússia […]

#202

2 de março de 2016

Havia uma razão central para que os tanques do Exército Vermelho não fossem enviados a Varsóvia para reprimir o Solidariedade lidarado por Lech Walesa, e ela foi explicada por Mikhail Suslov, talvez o apologista mais linha-dura do imperialismo russo em todo o comando soviético. “Simplesmente não podemos ter outro Afeganistão”, ele disse, quando os poderosos […]

#147

31 de outubro de 2015

No fim do século XIX, Lord Salisbury, então primeiro-ministro da Inglaterra, dissera com um torcer de nariz: “A Inglaterra não solicita alianças. Ela as concede.” Winston Churchill nunca teve tal luxo. Como a Inglaterra enfrentou uma possível invasão germânica em 1940 e 1941, o primeiro-ministro necessitou de todos os aliados que pudesse conseguir, não importava […]